Obras Editadas

A Rosacruz e Portugal


Rosacruz e Portugal
Edição 2007
Editorial Minerva

 

Contracapa de Rosacruz e Portugal
Contracapa do Livro

 

Este livro é dedicado
ao grande Amigo e Mestre,
Francisco Marques Rodrigues
e a Max Heindel,
escolhido pelos Irmãos Maiores
da Ordem Rosacruz,
para divulgar publicamente
alguns ensinamentos necessários
ao desenvolvimento do ser humano
na Época actual.


Era nosso dever dedicar este nosso trabalho a estes dois verdadeiros mestres, pelos seus níveis espirituais, éticos, culturais, muito acima do comum dos seres humanos, onde nos encontramos.

A Max Heindel porque, sem ele, os ensinamentos dos Rosacruzes necessários para serem transmitidos publicamente, teriam que esperar por outro digno Mensageiro, o que não seria fácil.

Assim, com Max Heindel, com o seu Amor à Humanidade, com o seu ideal de servir Cristo em obras, de O seguir como um discípulo leal e um grande servidor, a Humanidade recebeu novos impulsos para a sua evolução libertadora.

Graças a este Mestre miríades de seres humanos conseguiram, ao longo do último século, reorientar as suas vidas e evitar muito sofrimento. Também a sua obra e a sua vida têm contribuído para a criação de um mundo mais fraterno, mais livre e mais justo.

Ao grande Amigo e Mestre Francisco Marques Rodrigues, amigo ainda de todos os que sofrem e dos seus alunos, como dos nossos filhos e de nossa esposa, também ela iniciou os estudos, com a sua ajuda, quem como ele deixou obra sobre o movimento rosacruciano em Portugal e não só?

No seu tempo como havia Fraternidade! Como havia amor e Luz!

Os seus trabalhos tal como os de Max Heindel eram todos escritos de forma simples, sem artifícios desnecessários, os quais, por vezes, são antes sinais de orgulho intelectual, enquanto a simplicidade é expressão de Egos avançados.

Todo o mundo gosta e aprende com as suas obras.

A revista Rosacruz nos anos em que era Director havia valiosa colaboração de vários membros desde o nosso amigo F.Preuss, ao Centro Rosacruz de Corrientes na Argentina. Era assim a abertura e o alcance do seu trabalho.

Este nosso livro procura seguir esses passos, com o nosso defeito de querer fazer muito em pouco tempo, e depressa e bem não faz ninguém, mas sempre com a mesma finalidade, irradiar a luz e o Amor, palavra que como se pode ver na contracapa está em relevo.

Quem tenha esse Amor e Essa Luz não necessita de esclarecimentos para encontrar a Verdade, como as mensagens rumo à Fraternidade Universal, no caso, por meio do movimento cristão rosacruciano em Portugal.

Ao invés encontra muito para ser divulgado a bem da Humanidade e para glória de Deus porque o autor nada deseja para ele.

Assim, os nossos caros amigos da Fraternidade Rosacruz Max Heindel, Centro de Rio de Janeiro têm esta obra destacada em sua valiosa página, como outros livros de nossa responsabilidade, tal como de muitos rosacrucianos de diversos países e acima dos rosacruzes desde Paracelso a Coménio, etc.

Assim, várias pessoas que têm lido o trabalho, acabam por divulgar as suas opiniões como as que juntamos já a seguir pois é a melhor resposta para os poucos críticos existentes.

Outras opiniões positivas sobre este trabalho já se encontram na página, mas entendemos que se devia colocar mais algumas.

 

De Caldas da Rainha, Portugal

Quanto ao livro a Rosacruz e Portugal... fala de uma forma leve... para que os leigos na matéria possam perceber, das relações entre a filosofia da Escola Rosacruz e a história de Portugal...
Mas, acima de tudo, é um livro que fala de valores universais que se vão perdendo com o tempo...
Um tema a estudar, sem dúvida, a Bem de cada um de nós e do mundo
.

Luis Costa Pires
Escritor
Maio de 2008

 

De Tomar, Portugal

Com originalidade analisa a História de Portugal e do Mundo com outra lente, outra visão a qual aponta para os valores que nunca serão demais lembrar e que vão desde o serviço amoroso, à defesa da Paz.

Adriana Nogueira
Professora Doutora da Universidade do Algarve
12 de Abril de 2008

 

De Tomar, Portugal

Vossa alma vai agradecer a leitura desta obra.

Dr. Ângelo Rodrigues
12 de Abril de 2008

 

De Madrid, Espanha

A edição da obra me dá alegria. Embora ainda não tenha lido o livro, já vimos que nos dá diversas pistas que relacionam Portugal com a Ordem mais elevada do Ocidente. Parabéns por esta contribuição.

Dr. Luis Blanco
Médico 14 de Janeiro de 2008

 

De Rio de Janeiro, Brasil

Em a A Rosacruz e Portugal, o autor articula o rigor da pesquisa histórica com a beleza estética de sua escrita literária, tomando como foco o conteúdo místico das tradições esotéricas portuguesas.

Alexandre David
Psicólogo, Professor de Psicologia, Especialista em
Psicologia Clínica, Psicanálise e Saúde Mental
Abril de 2008

 

Seguem algumas páginas e imagens deste trabalho, em que algumas das investigações têm mais de 30 anos.

Trata-se de uma obra não só para a Lusofonia mas para todos os povos do mundo.

 

O que uma geração
considera como o máximo do saber,
é frequentemente reconhecido como absurdo
nas gerações seguintes;
e o que, num século,
é considerado como superstição ou ilusão,
pode formar a base da ciência nos séculos vindouros.



Paracelso
(1493-1541)

 

Nota:

Eis um dos sábios pensamentos que estão inseridos nesta obra.

 

Homem do final da época Atlante, desenho de Miguel Carvalho

Forma humana usada no final da Época Atlante, há mais de um milhão de anos, corresponde a uma transição do Homo habilis para o Homo erectus, de acordo com os dados descritos no Conceito Rosacruz do Cosmo, de Max Heindel.

 

Baixo-relevo numa das faces do púlpito do Refeitório
Foto do autor, 2007

Baixo-relevo numa das faces do púlpito do Refeitório. No outro púlpito está um idêntico em que o anjo tem, a seus pés, duas caveiras. Note-se, o rico simbolismo na esfera armilar.

 

Cinco pétalas da rosa silvestre num círculo, no Convento de Cristo
Foto do autor, 2007

Cinco pétalas da rosa silvestre num círculo; no seu interior, de novo mais 5 pétalas, ou seja, 5+5=10=1, Unidade, Fraternidade. No centro desta rosácea, um pentágono. Entre os dois círculos seis raios da "roda", símbolo do movimento, como solar; unindo as extremidades de cada grupo de 3, formando um triângulo, eis o hexagrama, ou Estrela de David, por vezes confundido com o selo de Salomão. Este símbolo ligado às culturas iniciáticas de antigas civilizações, no Oriente, como na América Central, estava ainda unido aos alquimistas.

Note-se que David projectou o Templo que seria conhecido como o de Salomão, seu filho. Nele faziam parte além dos sacerdotes em grupos de 24 classes, os Cantores, no mesmo número; os chefes do exército mandavam em 24 000 homens. I Crónica, Cap. 24 a 29). Mais uma vez estamos perante números simbólicos, o dobro de 12, numa ligação entre o que é, em cima, 12 Hierarquias Divinas; e, em baixo, 12 Casas que temos de saber cultivar o pão anímico dado por Deus. Assim seremos Luz e n’Ela viveremos.

Os Filhos da Luz construtores deste singular e maravilhoso Convento impregnaram-no com numerosos símbolos cósmicos e mais ou menos herméticos.

 

Página em alemão, sobre a estadia de Paracelso em Lisboa

Esta página em formato PDF

Página em alemão, sobre a estadia de Paracelso em Lisboa, extraída do original existente no Instituto e Museu da História da Medicina da Universidade de Zurique.

 

Página em português, sobre a estadia de Paracelso em Lisboa

Esta página em formato PDF

Página anterior, traduzida para português, sobre a estadia de Paracelso em Lisboa.

 

Janela Manuelina
Foto de D.D.C. em 2007

Janela Manuelina onde se encontram diversos símbolos, entre os quais o da Rosacruz.

O símbolo Rosacruz subtilmente colocado nesta maravilhosa Janela é algo idêntico ao que está inserido no Mosteiro de Flor da Rosa cuja imagem podemos ver nesta página.

 

Símbolo Rosacruz no Mosteiro da Flor da Rosa da Ordem de Malta

Símbolo Rosacruz no citado Mosteiro, foto do Autor em 1972, quando vivíamos no histórico Concelho do Crato.

Na Janela Manuelina podemos ver belas decorações com alcachofras, ligadas ao Renascimento, um dos símbolos esotéricos escoceses como a da Rosa e do Trevo, neste caso, qual rosácea alcachofrada.

 

Alcachofra na janela manuelina
Foto do autor, em 2007

Uma das alcachofras inseridas no interior da Esotérica Janela.

Os nossos agradecimentos ao IGESPAR pelo Seu apoio.

 

Algumas opiniões sobre este livro que, em nossa opinião, será, no futuro, uma obra de referência para Bem da Humanidade e Glória de Deus.

 

...obra a todos os títulos louvável... Quanto a nós, deve o leitor adquirir esta obra, cujo espírito ficará enriquecido com o seu conteúdo... Podem admirar mais de sessenta fotografias obtidas pelo autor...

Jornal Notícias do Bombarral
de Janeiro de 2008

José Luciano de Bastos
Director

 

...una obra de profunda ciência esotérica. Es una muy buena investigación...

M. Olguin
Chile, 4 de Fevereiro de 2008

 

...o meu apreço pela investigação e trabalho intensos que desenvolveu.

M. A.
Lisboa, 12 de Janeiro de 2008

 

...uma obra de grande interesse e valor... um trabalho sério e profundo de investigação... revestido de grande sentido espiritual...

T. S.
Lisboa, 25 de Janeiro de 2008

 

Uma obra que nos leva a reflectir sobre vários aspectos da vida, como sobre diversos temas ligados à História, à Religião, às Ciências. No fundo um trabalho sobre ética e Amor.... que será cada vez mais um marco importante para a História não só da Rosacruz, como de Portugal. Uma obra que ficará na História da Literatura, uma fonte a não perder para qualquer bibliografia.

Ângelo Rodrigues
Tomar, Portugal, 12 de Abril de 2008

 

...revela uma análise profunda e um outro ângulo sobre a História.

L. L. G.
Coimbra, Portugal, 17 de Setembro de 2008

 

 

[ Obras Editadas ]