Anemia



Como é consabido, a redução da quantidade da hemoglobina nas hemácias (glóbulos vermelhos), ou a diminuição do seu número total, ou a baixa de ambas denomina-se: anemia.

Na hemoglobina existe uma substância proteica, a globina, e um pigmento ferruginoso que lhe dá a cor vermelha, chamado “heme”.

Graças aos átomos de ferro, existentes no sangue, em forma de hemoglobina, o oxigénio do ar dos pulmões é conduzido a todo o organismo e, através da formação da oxiemoglobina, combinação do oxigénio com a hemoglobina, se mantem a temperatura adequada para que o Espírito Interno do ser humano se possa manifestar no corpo denso, possuindo consciência focada no Mundo Físico. Graças a estes átomos marcianos, os raios vitais solares se transformam em energia dinâmica, impulsionadora de toda a nossa actividade.

A diminuição da hemoglobina produz efeitos em todo o organismo, causando insuficiência de oxigénio no corpo físico, especialmente no cérebro e nos músculos, incluindo o do coração, fazendo com que este acelere as suas pulsações.

Devido a todos estes factores a pessoa anémica está débil, tem pouca ou nenhuma iniciativa, tem fraca capacidade de trabalho e de criatividade, não sente entusiasmo, está pálida, designadamente nos lábios e na conjuntiva, sente tonturas, palpitações, falta de ar, visão embaçada.

Por isso, dada a sua vital importância, urge saber quais as causas da falta de ferro no organismo, como é absorvido e quais os meios preventivos e curativos, de acordo com a máxima de que o maior pecado é a ignorância. Contudo, neste caso, como em todos, há que ter sempre presente que compete ao médico o diagnóstico e a mais ninguém.

De acordo com a ciência espiritualizada a verdadeira cura de qualquer enfermidade só existe, realmente, quando se removem e eliminam as suas causas, substituindo-as por novas, geradoras de equilíbrio e de regeneração vital, definitiva.

No caso presente, elas vão desde lesões no aparelho digestivo, desde a boca até aos intestinos, que ocasionem perdas de sangue, por motivos de acidentes, por tumores, por fluxos menstruais exagerados, especialmente na puberdade, às enfermidades na medula óssea, nos rins, na circulação sanguínea, por motivos de parasitas ou problemas na flora intestinal, às doenças infecciosas, à falta de ar puro e de sol no local de trabalho e na habitação; às actividades profissionais em contacto com chumbo, com o mercúrio, como mineiros, etc; à alimentação inadequada, pobre em vitaminas e minerais e em aminoácidos, ao mau uso da energia criadora, sexual; ao abuso dos antibióticos e não só; até aos pensamentos impuros e destrutivos, negativos, e às emoções e sentimentos inferiores.

Uma vez diagnosticada a causa ou causas, importa suprimi-las, substituindo-as.

Em todos os casos, porém, uma correcta dieta alimentar e uma sábia renovação mental e emocional são factores importantes na criação de novas e regeneradoras causas que, a seu tempo, produzirão os efeitos benéficos apropriados.

No campo da dieta alimentar, e para que a medula óssea possa produzir a quantidade necessária de hemácias, torna-se necessária uma alimentação rica em vitaminas, designadamente do complexo B e C e ainda K, P e U; em minerais, ferro e cobre e em aminoácidos completos, entre os quais, glicocola, histidina e triptófano.

Como se sabe, a vitamina B 12 exerce acção sobre a medula óssea, estimulando a regeneração dos glóbulos vermelhos, para cuja actividade é preciso o ácido fólico. Esta exerce acção no metabolismo das proteínas, e, junto com o factor intrínseco, existente no estômago, forma um composto enzimático que evita e ajuda a curar a anemia perniciosa.

Aquela vitamina existe na caseína do leite, no sumo de tomate, na levedura de cerveja, no extracto de malte, no trigo germinado.

Quanto ao ácido fólico encontra-se nas folhas verdes dos vegetais, nas ervilhas, na beterraba e no queijo.

No caso da vitamina C, há boas doses no limão, na laranja, na tangerina, na acerola, no ananás, no tomate, nas castanhas e batatas, especialmente cozidas com casca, nos agriões.

A vitamina K, anti-hemorrágica, ajuda a coagular o sangue; a sua função é servir para que o fígado sintetize a protrombina, fermento necessário para a coagulação do sangue. Se houver problemas neste importante órgão, como na vesícula, haverá problemas com esta vitamina que também é útil como preventiva de acidentes vasculares cerebrais e da hipertensão. A congelação dos alimentos destrói esta vitamina; também as gorduras rançosas e o abuso dos antibióticos por via oral; por outro lado, deve haver muito cuidado com o uso da aspirina. Havendo boa flora intestinal o organismo produz esta vitamina, havendo bom funcionamento do fígado melhor ainda; só que devido a vários factores, incluindo ao estado do meio ambiente, como dos produtos alimentares, à vida anti-natura que levamos, há que estar atento e sempre que necessário consultar o médico, pois poderá ser imprescindível, conforme os problemas, de medidas que só os profissionais de saúde poderão ajudar a resolver e a evitar sérios ou graves problemas.

Esta vitamina existe nas couves verdes, na soja, nos tomates, na aveia, cenouras, algas. Quanto à vitamina P ela protege os vasos sanguíneos e é útil nas hemorragias. Como fontes: os pimentos e a pele das frutas cítricas, mas cuidado com abusos.

Quanto à vitamina U, os médicos investigadores russos descobriram-na como um meio valioso para ajudar a curar úlceras benignas. Em 34 dias de curas com sucos de couve verde obtiveram excelentes resultados no aparelho digestivo com efeitos benéficos na parte circulatória e nos problemas dermatológicos.

Para os que seguem o regímen lacto-ovo-vegetariano a soja, os ovos, o leite, o queijo, são fontes completas de aminoácidos. Os cereais integrais possuem também boas e várias espécies de aminoácidos. No caso do triptófano existe no trigo integral, como no milho; este, porém, deve-se ter cuidado com o consumo pois tem uma substância que anula a acção da vitamina PP, niacina, a qual faz parte dos co-fermentos respiratórios dos glóbulos vermelhos. Ela existe na levedura de cerveja, no amendoim, no trigo integral.

Sobre os alimentos mais ricos em ferro: maçãs, peras, bananas, cerejas, uvas, damascos, ameixas, laranjas, manga, alface, agrião, couves, aipo, cenoura, cereais completos, flocos de aveia, mel, frutos oleaginosos (amêndoas, amendoins, avelãs e nozes).

Sobre as fontes alimentares do cobre, de um modo geral, são idênticas.

Em todos os casos, dever-se-á ter em atenção que os legumes e frutos deverão ser essencialmente crus e frescos. A actual civilização contra-natura tem desprezado esta sábia regra, muito antiga, com nefastos efeitos.

Quanto às necessidades de ferro no organismo: no adulto rondam as 12 mg por dia; nas crianças, 12 a 15 mg; nas grávidas, 15 a 20 mg. Estas necessidades aumentam nos estados febris, na puberdade, na menstruação e quando estamos perdendo sangue, devido a várias causas desde acidentes até feridas ou infecções internas.

A absorção do ferro dá-se no duodeno, sendo conduzido pela circulação sanguínea para o fígado, baço e medula óssea, onde é transformado em ferritina. Esta, uma vez sintetizada, irá servir de base à constituição de novas hemácias. E porque estas vivem, em média, 90 a 100 dias, torna-se evidente uma quase constante necessidade de substituição.

Graças ao baço, as hemácias são filtradas e, quando velhas ou anormais, desintegradas e transformadas noutros elementos.

Por tudo isto, para uma boa oxigenação e como tal fixação do ferro no organismo, é muito importante não só evitar o tabagismo, como levar, tanto quanto possível, uma vida ao ar livre e puro, (muitos locais de trabalho, como habitações são edifícios doentes) passeios pela floresta, especialmente na montanha, dormindo em locais arejados, evitando, contudo, que o ar vá directamente para o nosso corpo.

A hidroterapia é valiosa, especialmente o banho vital, isto é, um banho com água fria, tomado logo a seguir ao levantar, no bidé, por exemplo, durante entre 3 a 5 minutos, usando uma esponja ou uma luva e molhando somente a zona que vai do umbigo até perto dos órgãos sexuais, seguindo-se um pouco de ginástica para reaquecer o corpo. Os enfermos cardíacos e renais deverão ter cuidado com este banho.

Os banhos de sol, devidamente tomados e não como quase todo o mundo faz, com enorme imprudência, são meios preventivos e curativos.

Como plantas medicinais use-se a bolsa do pastor, a cauda do cavalo e o sumo fresco da urtiga.

Quanto aos produtos químicos à base de ferro, como é evidente, só o médico é que poderá prescrever e determinar, pois cada caso é um caso.

Muito importante é a renovação mental, melhorando a imaginação, cultivando a pureza e o pensamento positivo, tal como cultivar boas e elevadas emoções.

A ciência espiritualizada alerta para os perigos do ódio, dos ressentimentos, da raiva, da inveja, da traição, do despotismo, da inveja, do egoísmo, pois matam glóbulos vermelhos. Também o medo, o pessimismo, a melancolia geram corpúsculos brancos, prejudicando as acções metabólicas e supra-físicas necessárias à manutenção do teor dos glóbulos vermelhos, como da sua recuperação.

Já o Pai da Medicina, Hipócrates, como Paracelso, defenderam que muitas doenças provinham dos maus pensamentos e das emoções negativas; ambos envenenam o corpo físico e destroem o corpo vital que o vitaliza e que tem ligações com ele por meio do baço etéreo.

Por outro lado, a mente carregada de sensualidade, os abusos nesta área, especialmente as aberrações, a seu tempo ocasionam efeitos muito nefastos, incluindo o cancro, a SIDA, etc.

Por isso, cultivemos uma mente pura, jovial, altruísta, sejamos honestos, leais, sabendo amar e perdoar, cooperando na construção de um mundo melhor para todos.

Saibamos aprender as lições, seguindo as Leis Naturais ou Divinas, em obras e em Verdade, para que a saúde seja uma realidade, a nossa maior riqueza que é o produto das rosas florirem dentro de nós.

 

[ Sa˙de ]